Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vilipêndio

Vilipêndio

22 de Julho, 2022

Sempre o passado

vilipêndio

depositphotos_281202140-stock-illustration-engravi

Numa semana em que vimos um sem fim de homens sensíveis e magoados com o progresso das nossas sociedades (Tiago Dores ou Quintela, ex-humoristas dos Gato Fedorento que parecem ter desistido do humor e ter apostado definitivamente na amargura, no elitismo e no ataque a pessoas marginalizadas, são alguns dos exemplos), nenhum consegue ser tão absurdamente rídiculo como o nosso amigo - e homem das cavernas - José António Saraiva.

IMG_20220722_092211.jpg

Num texto que o SOL publica (apenas um dos jornais a dar cada vez maior voz a um conservadorismo tóxico e perigoso) e que podia muito bem ter sido escrito no século XVI, Saraiva diz que o facto de o futebol feminimo estar em crescimento é um sinal que "caminhamos, pois, para uma ditadura. E isso já começa a sentir-se, na ferocidade com que são atacados os que fogem à cartilha."

Se não fosse verdade, seria para rir - e muito. O machismo primitivo conjugado com um conservadorismo bacoco, aliada a uma enorme vontade de atenção e de demonstrar uma inteligência superior, criam fenómenos como o amigo cavernícola Saraiva. O grave, contudo, não é existirem homens cuja sensibilidadezinha é muito afectada por empoderarmos mulheres, minorias, pessoas transsexuais, mas sim termos cada vez mais publicações a dar voz a este tipo de retrocessos civilizacionais.

Como outro exemplo do passado estar a bater-nos à porta, o jornal i (outra publicação nacional muito preocupada em dar voz a essas pessoas marginalizadas ao longo de séculos e séculos, os católicos) mostrou-nos na sua capa o que a doutrinação religiosa pode fazer a um país. Num país laico como Portugal é (ou devia ser) ver a capa do i com o pai dos alunos de Guimarães é assustador. Ver como a religião de um pai pode influenciar negativamente a vida dos filhos, neste século XXI, deixa mais dúvidas que certezas.

Quando acabo de escrever este texto, vejo o que se passou ontem na Assembleia da República com o grupo de deputados do Chega. André Ventura não é nenhum Saraiva, sabe fazer tudo melhor que ele. Contudo, Santos Silva mostrou - e bem - que a casa da democracia portuguesa não é sítio para racismos, xenofobias, para ataques gratuitos a grupos de pessoas.

Todos os minutos em que Ventura atacou esses malandros dessas minorias, que vêm para Portugal não fazer nada (quantos de nós não conhecem imigrantes do Bangladesh e Nepal e do Brasil que vieram para Portugal apenas apanhar sol e beber umas cervejas?), não usou esse mesmo tempo para atacar homens de poder que ele bem conhece e que têm impossibilitado o crescimento do nosso país, sejam os Vieiras ou os Berardos ou os Rendeiros. A esses Ventura não lhes toca, porque Ventura é tão anti-sistema como todos os que lá andam.

É um partido que é um circo, só que com palhaços bem vestidos. 

Mas não estão sozinhos, como fiz questão de dizer no inicio deste texto. Estes homens, todos de meia-idade e todos de um estrato social que sabemos ser confortável, alegam que estarão a ser cancelados por "pensarem pelas suas próprias cabeças" enquanto escrevem diariamente em jornais de renome para uma audiência enorme. Inventam diariamente problemas e botes expiatórios inexistentes para manipular uma fatia da população mais susceptível a esta manipulação. Fazem do futebol feminino, das minorias, dos transsexuais a raíz de todos os problemas da nossa sociedade, porque o jogo é mesmo esse.

Homens, muitas vezes ricos, sem os problemas que a maioria de nós passa diariamente, seja habitação, custo de vida, qualidade dos serviços e transportes públicos, marginalização, que se estão completamente a marimbar para o estado do planeta ou do clima, e que passam os dias a escrever sobre assuntos que em nada influenciam a nossa vida, transfigurando totalmente discussões, fazendo tempestades em copos de água e, mais importante que tudo, ignorando o que realmente importa aos portugueses. É esta a guerra cultural estilo americana. É assim que se leva a uma polarização enorme das nossas sociedades e se estraga o tecido social de um país. 

Veremos qual será o resultado de tudo isto. 

1 comentário

Comentar post