Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vilipêndio

Caos e retrocesso

12440398_1116595888370827_6987770744506405602_o.jp

Tanto cá como lá, a história faz-se de surpresas anunciadas e ideias arruínadas.

A vida de um politico dura demais. Existe até para lá do ponto em que deixa de fazer sentido, e por isso, cai com estrondo.

E nós, ingénuos, vamos fazendo vida sem desviar dinheiro de empresas, lavando dinheiro apenas quando cai na máquina.

Lição: O oceano Atlântico é um vasto mar de distâncias e de separação, mas havendo vontade e engenho torna-se um lago de jardim.

 Ilustração Christophe Marques 2016 @ behance.net/christophem

 

 

 

 

Não sei e não ouvi

Iconoclasta II

 

Novos desenvolvimentos no que toca ao destino dos jovens angolanos presos, em Angola, por cometer o crime de serem ligeiramente mais inteligentes que os demais. Algo ainda nos fazia crer que a leitura de livros, ainda que de uma forma notoriamente provocatória e fanfarrona como foi, não iria ser punida, porque vendo bem as coisas até não magoa assim tanto. 

Mas foi. 

Numa terra com um rei e demasiados príncipes, esta história seria mais um caso, mais um dia. Mas, envolvendo um cidadão luso-angolano, seria expectável um grito oficial cá do burgo, não muito alto, mas pelo menos audível.

Mas há valores que falam infinitamente mais alto. E esses andam sempre na casa dos milhões.

Entretanto, em mais um capítulo da saga Portugal não diz nada sobre nada nem faz nada a ninguém, parece que a Isabel dos Santos quer comprar a minha casa.

Só se... esperem... pois, já comprou todo o quarteirão. 

Bruxelas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A manhã. 

- o início que nunca devia ser o fim

 

Quando o sol bate mas bate sem doer,

E nos lembra que tudo sempre recomeça,

Quando a página se vira à espera de novas palavras,

De uma nova história. 

 

O momento de nos sentirmos novos,

de abrirmos bem alto os olhos,

e vermos que está tudo no mesmo sitio

e que apenas andámos um dia para a frente.

 

A manhã é a hora do dia em que o dia ainda não existe,

e que por não existir, só imaginado.

 

Ela enche-se de expectativa e futuro por ser a porta de um abrir que sempre vem.

 

De manhã tudo devia ser o leve acordar de um dia

e nada mais que isso.

 

O que se viveu em Bruxelas, e que faz parte do quotidiano de um certo mundo por nós ignorado, é o mais desumano de qualquer humano. É absurdamente aleatório. É também, ao que parece, terrivelmente eficaz.

Se voássemos

SI10461h.jpg

Ser a mais bela forma de pássaro, ter asas e sair mundo fora, chegar a todos esses céus sem fim.

Levantar os pés do chão, de um chão que é sempre o mesmo chão e nos engole.

Se voar fosse só uma coisa mais, será que voaríamos? Ou sonhariamos imediatamente com outras vontades? 

Sonhamos com voar, no caminho em que sonhamos muitos outros sonhos. Sonhar eleva-nos acima de nós mesmos, faz-nos achar ter poder em algo, quando na realidade nem somos responsáveis pelos sonhos que sonhamos.  

Os pássaros voam, nós sonhamos em voar, e o mundo acontece-se.

Se tivéssemos asas, o mundo era igual, mesmo visto de cima.

 

Lisboa

20160305_173022.jpg

Livraria Ler Devagar, LX Factory, Lisboa

 

Cresce uma nova Lisboa à nossa frente.

Senhora de si mesma, moderna, estrangeira, esta nova Lisboa sabe o que quer e quem quer.

A calçada, velha e indesejada, teima em não sair do sítio, do sítio que é seu e que já não é só seu. A ela juntou-se novas formas de andar, novos passos rumo a uma modernidade desconhecida.

Este paraíso banhado a Tejo absorve tudo, sabe ser novo sem perder a magia do antigo.

Nascem vidas onde antes a vida não podia sonhar existir, e a nova cidade que nos percorre não sabe ser antiquada, aborrecida ou intransformável.

Que esta Lisboa possa ser de todos sem que deixe de ser só nossa.

 

Lisboa é o nosso mundo, é a nossa porta de abrir para aquele outro mundo lá fora.

 

Os novos amanheceres

eyew.gif

 

 

 

 

Enquanto vamos e não vamos, a gente acaba por ir e não ir.

São passadas largas as que damos, com estes nossos pequenos pés e estas nossas pequenas coisas.

Andamos enquanto adiamos o que podiamos ter feito ontem, tropeçando em tudo o que nos aparece, caindo as vezes que tenhamos que cair, mas sabendo que estamos seguros pela nossa própria cabeça.

Há novos acordares, claro, e há novas palavras, cheias de não ter significado nenhum, cheias de um tremendo vazio.

Dão-nos um murro para dentro dos olhos, entregam-nos um mundo novo dentro daquele outro que conhecemos, que sempre olhámos mas que nunca vimos, à espera de o ler e de o fazer.

Nada será como dantes, porque nunca o é, e a existência impossivel de ambos faz o mundo andar para a frente, sem saber como parar.

E quando assim é.