Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vilipêndio

A minha moda é melhor que a tua

BURKOFOBIE_SMALL.jpg Ilustração Boulimie Culturel  |  Christophe Marques | 2016 | behance.net/christophem 

Nesta sombra de sermos diferentes, vamos tentando mudar um problema sem tocar no problema. Lá vamos, silenciosos, passado ao seu lado, pés de lã, fantasmas, sem que dele tenhamos vista e toque. 

Ora, proibir o uso de determinado vestuário balnear feminino é ver a questão pelo outro lado dos binóculos, que se vê bem mais longe. O lado errado, portanto.  

Que se queiram mudar mentalidades, através de pequenas mudanças, soa a boas intenções e a uma tentativa de abordar o assunto de frente mas parece, também, vazio de tudo.

A mulher islâmica não se veste assim na praia porque quer, é-lhe imposto por uma interminável lista de crenças e tradições que pouco lhe dizem mas que muito respeita. É a sua cultura, o resultado de gerações que passaram e enraízaram a mensagem. A nossa cultura é outra completamente diferente. O problema assenta numa coisa tão simples e primitiva: somos diferentes. E tal como existem tons de pele distintos, existem infelicidades que só o são para algumas almas. 

Podemos, ou devemos, querer que todos no mundo sigam os caminhos de quem, ao que tudo parece, é mais evoluído que os outros?