Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vilipêndio

O horror é real demais

Portugal continua a assistir à morte lenta daquilo que equivale a um terço do seu território, vendo no caminho desaparecerem famílias inteiras, e sonhos desfeitos por um calor talvez inevitável mas certamente antecipável.

O que aconteceu em Pedrogão ultrapassa a barreira da compreensão, pela brutalidade e crueldade com que chegou. Há momentos em que parece surreal. Pena dá que em Portugal o surreal se torne dolorosamente subjectivo. O que se discute hoje é algo que é sabido há décadas, é um dos assunstos sazonais que gostamos de ter por cá, tal como a gripe ou as urgências hospitalares. Infelizmente, desta vez, o resultado final é inenarrável. O que mais dói, de tudo o que dói nesta história, é saber que não era preciso ser dono de poderes sobrenaturais para ter tido, há já algum tempo, a visão do inferno que acabou por cair à frente daquelas infelizes almas. 

Quando passar todo o aparato mediático que se criou à volta desta tragédia - que já nos deu a oportunidade de ver telejornais entre camiões dos bombeiros e reportagens com cadáveres no plano - e que beneficia não consigo vislumbrar quem, é preciso colocar, de forma urgente, fundos e recursos na antecipação e prevenção de incêndios florestais, na melhoria das condições de trabalho de bombeiros, polícias, guardas florestais, e tudo aquilo que se discute desde sensivelmente sempre. 

 

Já lá vão algumas horas desde que aconteceu aquilo que toda a gente viu. Mas que pouca gente viveu. Menos ainda as que conseguiram sobreviver. E as que, sem saber se feliz ou infelizmente, cá continuam não sabem o que fazer com o que resta desse continuar. De igual forma, não sabemos nós que sofremos por imaginar que, naquele momento, aquelas pessoas estiveram cruelmente sozinhas com o inferno em frente aos olhos. 

 

 

Trump salvou o Planeta

received_1531955203501558.jpeg

 Ilustração Asshole  |  Christophe Marques  |  not_from   2017 |  instagram.com/not__from  | 

 

A decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris pode ter sido a melhor (e mais positiva) decisão para a defesa do ambiente. Confuso? É fácil. Até agora, o Acordo de Paris era mais um acordo sem história, sem futuro. Pouco se falou dele porque, na verdade, pouco ele iria mudar. Foi um passo em frente, é certo, mas o planeta precisa de centenas, milhares de passos em frente. Não amanhã, não hoje. Ontem. E este Acordo tinha sido só mais uma pseudo-mudança entre muitas outras, engolida pelos interesses económicos, que continuam a falar mais alto que os interesses ambientais.

O maior motivo para mudar alguma coisa é ter o que combater. Até hoje, a sensação que tinhamos é que estávamos a combater uma indústria (ou várias) que move uma quantidade pornográfica de dinheiro, envolta em interesses que são difíceis de ver e quantificar. Agora, isso mudou. Existe um inimigo, com olhos e (pouca) cabeça. Chama-se Trump, e pode ter dado o maior passo de sempre no sentido de salvar o planeta. 

Que comece agora esse ontem. O comboio já partiu há décadas, mas tentemos apanhá-lo, a pé, a correr, a voar. De que maneira for. 

O presidente dos EUA é, sem grande surpresa, uma piada. Infelizmente, é uma piada que a história recente mais intensamente recordará. Mas vamos usá-lo como forma de mudar. 

Mudar. Mudar. Mudar. 

Não hoje. Ontem.